21 de abril de 2016

Do baú dos desejos {o ursinho do Felipe}

Hoje foi contar um pouco da história desse ursinho. Tem mais coisa dentro de mim, mas não consigo expor aqui.


Foi feito para o Felipe, o bebê de uma amiga. Fazê-lo foi um processo longo - em parte, como sempre, pela correria dos dias.

Quando soube que ela estava grávida, desejei imediatamente lhe presentear com algo, mas nunca havia lhe dito o que exatamente. Ficou apenas guardado no baú dos desejos.

Um dia cheguei em casa, separei os tecidos - uns comprados e outros sobras de tecido que ganhei da minha mãe. E só.

Muito tempo depois decido o que vou fazer. Esboço um desenho. Eu sempre prefiro fazer meus moldes, mesmo sabendo do risco que é fazer algo pela primeira vez e nunca testado antes. Isso me dá um sabor de desafio e de expectativa, embora tenha que lidar com a frustração das imperfeições inesperadas - faz parte!

Alguns fatos inesperados e ... guardo novamente aquilo por alguns longos meses.

Felipe nasceu. Resolvo, então, encarar novamente aquele desafio a que me propus. Corto os tecidos. Paro novamente. Bordo os detalhes. Guardo mais um pouquinho.
Até que, enfim, costuro e embalo.

Saquinho decorado com um pedaço de tecido.
Pintei o nome do Felipe com carimbo de letras. 

Está pronto e com uma visita agendada...


8 de abril de 2016

Cactos em nova versão {crochê}

Quem aí adora cactos, mas não tem talento algum para cuidar de plantas, nem mesmo essas que requerem tão pouco da gente? Ou talvez seja um atrapalhado e viva se machucando com aqueles espinhos quase que invisíveis (eu estou nessa hahaha)?

Brincadeiras à parte, hoje quero mostrar algumas ideias de vasinhos de cactos feitos de crochê. É ou não uma outra maneira bem legal ter essas plantinhas lindas em casa?

fonte

Fonte

Fonte

Fonte


Fonte

Fonte


Algumas fotos com passo a passo!

Fonte
Fonte

5 de abril de 2016

Detalhes para um novo lar {móbile de bules e xícaras}

Quando me mudei para Itajubá fiquei num meio termo entre a escolha por uma moradia provisória e fazer daquele espaço um cafofo adorável para se viver (acho que ainda estou nesse dilema!). Era uma quitinete. Pequena, mas com espaço suficiente para eu fazer divisões criativas de sala, quarto e cozinha. Pena nunca ter tirado umas fotos bacanas, porque eu particularmente achava bem legal.

Para lá, levei alguns móveis antigos de casa, alguns doados pela minha mãe. Comprei alguns novos e dei novas funções. E também fiz alguns mimos para decorá-lo. Umas das coisas que fiz na época foi um móbile de bules e xícaras para colocar na cozinha (o da foto ao lado). Esse móbile representa um pouco do prazer que foi ter organizado e vivido naquela que foi minha primeira moradia em Itajubá. Sinto saudades às vezes!

O tempo passa, vou para uma nova casa, conheço novas pessoas. E uma delas, que recém chegou em Itajubá e está nessa fase de fazer do seu espaço o lugar mais agradável para se viver, resolve gostar e me pedir justamente o que? Um móbile igual àquele pendurado na minha cozinha.

Fazê-lo foi reviver um momento prazeroso. Foi desejar que ele traga beleza e sentido a seu novo lar, tanto quanto aquele que está na minha casa.

Alguns detalhes mudaram, pois tive que fazer um novo molde e nunca fica igual. Também mudei as cores: bem mais alegres, acho que combina com a dona - de alma leve e sorriso farto!





Aqui, alguns detalhes da produção. Tecidos cortados, seguindo o molde. Depois foram costurados com linha de bordado e preenchidos com espuma siliconada. Recortes florais foram colados no final.





Detalhes da peça pronta, já presas a um cordão de linha de crochê decorados com pequenos botões.